No cristianismo, a simbologia pela luz foi sempre utilizada. Para exemplificar, encontramos apassagem em Gênesis, “Faça-se a luz!” ou então quando o próprio Jesus se identifica como luz: “Eu soua luz do mundo…”.
Os bons vitrais exploram ao máximo a relação com a luz para seu o seu pleno objetivo. Eles perfazem a iconografia do espaço sagrado e passam a serusados séculos depois do início da era cristã. Algumas fontes trazem, por exemplo, que um dos mais antigos está naCatedral de Augsburg, na Alemanha.
Eles foram concebidos no Espaço Litúrgico para estreitar a relação Criador-criatura envolvendo aluz de Deus como destruidora da nossa escuridão. São, também, importante ferramentade catequese e evangelização.
As imagens abaixo são do nosso Projeto da Capela Mãe da Divina Providência em São José dos Pinhais. Em conjunto com o trabalho da competente vitralista Loire Nissen, nosso objetivo foi trazer elementos da árvore da vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *